Skip to content

Resenha Crítica | Esquadrão Suicida (2016)

Suicide Squad, de David Ayer

Após o banho de água fria provocado por “Batman vs Superman: A Origem da Justiça”, “Esquadrão “Suicida” prometia acalmar os ânimos dos fãs propondo um tom diferente para este universo que a DC está construindo nos cinemas, uma espécie de resposta para a concorrência com a Marvel, esta já consolidada com a apresentação de seus heróis em filmes solos e a reunião destes para combater um inimigo em comum. Lamentavelmente, a tentativa tem pouco sucesso na tela.

Espécie de sequência direta para os eventos trágicos envolvendo a figura do Superman (Henry Cavill), “Esquadrão Suicida” inicia com a exposição dos planos da implacável Amanda Waller (Viola Davis), oficial da Agência Central de Inteligência que recomenda ao presidente a escalação de um time composto pelos maiores criminosos do país para combater uma entidade que pretende cobrir o mundo com trevas e converte humanos em soldados monstruosos.

O time? Floyd Lawton (Will Smith), conhecido como Pistoleiro, um matador de aluguel com uma filha de 11 anos; Harleen Quinzel (Margot Robbie), que adotou o nome Arlequina ao se tornar a companheira de Coringa (Jared Leto); George Harkness (Jai Courtney), o Capitão Bumerangue, Waylon Jones (Adewale Akinnuoye-Agbaje), o Crocodilo; Chato Santana (Jay Hernandez), apelidado de El Diablo e com habilidades em incendiar tudo ao redor; e Christopher Weiss (Adam Beach), também chamado de Amarra.

Ainda que Waller tenha implantado um chip capaz de causar a morte instantânea com o comando em um aplicativo sob o seu controle, é necessário trazer a bordo um líder capaz de supervisionar o temperamento de figuras que podem a qualquer momento trair o acordo de salvar o dia por uma redução de pena. Para isso, é escalado o soldado Rick Flag (Joel Kinnaman), namorado da arqueóloga June Moone (Cara Delevingne), possuída por um espírito milenar que cumpre um papel importante na ação. Outra adição que possui um bom caráter é Katana (Karen Fukuhara), japonesa extremamente habilidosa com espadas.

Com a leva inesgotável de mutantes e justiceiros zelando pela sobrevivência da humanidade, “Esquadrão Suicida” trazia como possibilidade essa visão pouco explorada em adaptações de quadrinhos em que a moralidade é um item distorcido, em que a prática do bem não parece uma alternativa clara para reverter a arquitetura do caos. Algo recentemente testado com sucesso em “Deadpool”, um modelo de anti-herói como protagonista.

O passo de “Esquadrão Suicida” sugeria ser o mais largo, com um material promocional regado na piração e com um diretor, David Ayer, que entende a linguagem dos personagens marginalizados, das escórias da sociedade. Porém, o peso da insanidade parece ter sobrecarregado somente os ombros de Margot Robbie, que supera todas as expectativas como uma delinquente que somente desejava ter uma vida de comercial de margarina com o seu amado de sorriso nefasto – o Coringa, aliás, deve ter ficado com a maior parte de sua participação perdida na ilha de edição, ao julgar por suas intervenções de caráter quase figurativo.

Além de uma encenação branda da violência, “Esquadrão Suicida” não é competente nem ao introduzir os seus personagens para o público. Confuso, o primeiro ato acredita que uma playlist de rock e cartilhas ininteligíveis dão conta de carregar todo o histórico de cada um. Mal resolvido é também um desejo de fazer um “Os Vingadores” dos vilões, forçando um sentimento de amizade e companheirismo que definitivamente inexiste. O efeito provocado por “Esquadrão Suicida” é o equivalente ao de uma embriaguez com cerveja sem álcool.

6 Comments

  1. Bryan Bryan

    Marvetes fazendo Review. Como sempre querendo acabar com os filmes da DC. Para eles, o que importa é o humor previsível e forçado da Marvel.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: