Skip to content

Os 10 Piores Filmes de 2013

Não importa o quão prevenidos possamos ser, os filmes ruins sempre vão sempre nos perseguir. Eles podem ser tanto produções europeias que inexplicavelmente arrebataram inúmeros prêmios em festivais e premiações mundo afora quanto aqueles projetos de cineastas que até então nunca haviam errado.

Provando que essas possibilidades são verdadeiras, organizamos a nossa seleção dos piores filmes lançados nos cinemas e em homevideo ao longo do ano passado. Na nossa seleção, há filmes que vão dos nacionais e blockbusters de verão até obras apreciadas em festivais como o de Cannes. Ninguém saiu ileso, inclusive o pobre espectador que desembolsou tempo e dinheiro. De bônus, também apontamos aquelas que foram as piores interpretações masculinas e femininas do ano passado. Vale lembrar que há filmes que possuem resenhas completas – para lê-las, basta clicar no sinal de adição após o título em negrito.

.

Silent Hill - Revelação 3D01. Silent Hill – Revelação 3D +
Após o espetacular “O Pacto dos Lobos”, Christophe Gans desembarcou em Hollywood para atingir um feito inédito: adaptar um jogo e entregar um resultado que é válido tanto como cinema quanto como uma emulação da experiência proporcionada por um videogame. Pois “Terror em Silent Hill” fez bons números e uma sequência era mera questão de tempo. A maior parte do elenco original está de volta, mas muitas coisas mudaram. Se o original custou 50 milhões de dólares para ser produzido, “Silent Hill – Revelação 3D” teve um orçamento de 20 milhões de dólares, o que para uma indústria de cinema estabelecida equivale ao mesmo que comprar duas dúzias de banana em fim de feira. Mas o pior mesmo é a mudança na direção. Michael J. Bassett é quem assume a condução dos eventos que assolam uma adulta Heather (Adelaide Clemens) e o que se vê é uma narrativa redundante em que prevalece a tosquice de criaturas que já não assustam como no original de Gans. Que saudades dos filmes de Uwe Boll.

 .

Todo Mundo Hispânico02. Todo Mundo Hispânico, de Javier Ruiz Caldera
Em sua estreia na direção de longa-metragem, o cineasta nascido em Barcelona Javier Ruiz Caldera teve uma boa ideia: parodiar as produções espanholas mais populares. Tudo indicava que a brincadeira havia dado certo vendo os nomes de alguns diretores que toparam fazer piada com as suas obras, a exemplo de J.A. Bayona (“O Orfanato”), Alejandro Amenábar (“Preso na Escuridão”) e a dupla Jaume Balagueró e Paco Plaza (de “[REC]”). Astro das paródias americanas, até Leslie Nielsen (em seu último papel no cinema) dá o ar da graça em uma participação especial. Apesar da expectativa, o resultado é de uma falta de graça revoltante. Mesmo caracterizando cenários e personagens de modo a associá-los aos filmes espanhóis mais bem-sucedidos dos últimos dez anos, as piadas não devem em nada a um “Zorra Total”. Lançado direto em DVD com três anos de atraso, “Todo Mundo Hispânico” não vale nem como mera curiosidade.

.

Uma Família em Apuros03. Uma Família em Apuros, de Andy Fickman +
Às vezes não há programa mais agradável do que um filme censura livre. “Uma Família em Apuros” indicava que seria a opção mais divertida dessa categoria no ano. Afinal, temos aqui os veteranos Billy Crystal e Bette Midler com o privilégio de protagonizarem uma história sobre as disfunções de uma família com gerações educadas de modo muito distinto. Ledo engano. O novo filme de Andy Fickman, baseado em experiências particulares do próprio Billy Crystal, não passa de uma sucessão de pegadinhas pregadas por um trio de crianças mimadas e aborrecidas que evidenciam a imaturidade de “Uma Família em Apuros”. No show de horrores em que Crystal não passa de um paspalho atingido a todo o momento nas partes baixas (seja com um golpe ou com uma arma de brinquedo que dispara arma) enquanto Midler o observa incrédulo, somente a doce Marisa Tomei sai ilesa.

 .

Depois de Lúcia04. Depois de Lúcia, de Michel Franco +
Afinal, o que o cineasta Michel Franco pretendia com “Depois de Lúcia”? Sua intenção está em contar uma história sobre o bullying ou o luto? Independente da leitura, este vencedor da Mostra Um Certo Olhar no Festival de Cannes se mostra grosseiro. Afinal, a humilhação da qual Alejandra (Tessa Ia) é alvo é tão obscena que impossibilita a emissão de qualquer discurso sobre a perversidade que habita o universo jovem. Isso não é modificado se interpretarmos a passividade da protagonista como um modo de processar a dor de perder a mãe, uma vez que ela não havia sequer sugerido a ausência materna antes de ser submetida aos ataques mais cruéis de seus colegas de classe. “Depois de Lúcia” é um filme incapaz de oferecer algo além do choque passageiro.

 .

O Homem de Aço05. O Homem de Aço, de Zack Snyder +
Saudade dos tempos em que a Mulher-Gato tinha sete vidas e Louis Lane era incapaz de diferenciar Clark Kent do Superman. O lema do inglês Christopher Nolan agora é dar uma “visão realista” para as adaptações de histórias em quadrinhos. No pós-11 de Setembro, é preciso situar seu herói em um cenário cercado pela paranoia, nem que para isso o personagem seja totalmente desconstruído. Como roteirista e produtor de “O Homem de Aço”, Nolan não corrompe apenas a direção de Zack Snyder, que, vamos ser francos, sabe usar o melhor da tecnologia para conceber belas imagens. Clark Kent agora é um bocó em conflito consigo mesmo e que nem imagina desempenhar o papel do vilão mais asqueroso possível ao colaborar para a destruição quase integral de Smallville e Metrópolis. Nem Jesus Cristo é poupado das analogias risíveis deste que é o blockbuster mais insuportável desde “Battleship – A Batalha dos Mares”.

 .

É o Fim06. É o Fim, de Evan Goldberg e Seth Rogen
Nada contra filmes que acontecem através de uma reunião de amigos que decidem fazer uma brincadeira. Bom, contanto que Seth Rogen, Jay Baruchel e James Franco não sejam elementos do grupo. Astros do besteirol de quinta (um tipo de humor que atrai muitos espectadores americanos para o cinema), o trio convocou uma série de amigos e celebridades (como Jonah Hill e a cantora Rihanna) para “É o Fim”. É até possível imaginar as reuniões de pré-produção, com cada “comediante” testando as péssimas piadas de improviso enquanto estão totalmente chapados. Trata-se de um filme que compreende “subversão” do modo mais equivocado possível. Ou essa galera tão hilária quanto um Danilo Gentili da vida acredita que há graça em ser recebido no paraíso pelos “Backstreet Boys”?

 .

Odeio o Dia dos Namorados07. Odeio o Dia dos Namorados, de Roberto Santucci
Ok, “Até que a Sorte nos Separe” está muito longe de ser um bom filme, mas não há dúvidas de que Roberto Santucci fez uma comédia muito melhor que “De Pernas pro Ar”. Há quem aguardasse um novo salto com “Odeio o Dia dos Namorados”, mas o que temos é um verdadeiro retrocesso. Não há em sua nova comédia o mesmo volume de piadas vulgares de “De Pernas pro Ar” e Heloísa Périssé, que é uma comediante de mão cheia, faz o que pode como a protagonista Débora. Por outro lado, “Odeio o Dia dos Namorados” não passa de um pastiche bem sem vergonha do clássico “A Felicidade não se Compra”, trazendo uma workaholic que repensa toda a sua vida após um acidente que pode lhe tirar a vida. Além do mais, todas as tentativas de criar passagens edificantes são destruídas com a intervenção do humor precário. De tão caricatos, Marcelo Saback e Danielle Winits chegam a irritar e há até espaço para fazer graça com a música de Michel Teló. A cereja do bolo de cacto? A conclusão com vários figurantes dançando ao som de “Não Se Reprima” do “Menudos” mostra que, quem diria, “Cinderela Baiana” anda fazendo escolha.

 .

O Dobro ou Nada08. O Dobro ou Nada, de Stephen Frears +
Até os grandes cineastas erram. Diretor dos ótimos “Ligações Perigosas”, “Coisas Belas e Sujas” e “A Rainha”, o britânico Stephen Frears é garantia de projetos bem produzidos com atuações fora de série. De uma hora para outra, o cineasta deixou as histórias densas de lado para investir em outras mais descontraídas. Se Frears mandou bem em “O Retorno de Tamara”, o mesmo não pode ser dito a respeito de “O Dobro ou Nada”, que parece uma versão de saias e sem nenhum neurónio de “Rain Man”. Provando que o cinema pode produzir histórias inúteis sobre figuras reais (ou sub-anônimos), Frears conduz a trajetória de Beth Raymer (Rebecca Hall), uma dançarina de striptease que decide tentar a sorte em Las Vegas. Ao trabalhar para Dink (Bruce Willis, mal vestido como nunca), sujeito que chefia um grupo de apostadores, a moça descobrirá ter uma habilidade impressionante com números. Se livre desta roubada!

 .

Um Bom Partido09. Um Bom Partido, de Gabriele Muccino
Depois de finalmente conseguir entrar no primeiro time de Hollywood com o sucesso comercial estrondoso de “300”, o escocês Gerard Butler ficou desorientado quanto a carreira mais adequada a seguir. Na indecisão entre ser um galã romântico, um astro de filmes de ação ou um ator sério, Butler acaba participando de bobagens como “Um Bom Partido”. Seria mais um filme que passaria batido entre nós se não fosse o bom elenco pagando mico. Para tornar explicita a misoginia do roteiro, as belas Jessica Biel, Uma Thurman, Catherine Zeta-Jones e Judy Greer são as mulheres que desempenham os papéis mais patéticos para conquistarem o coração de George, o sujeito interpretado por Gerald Butler que perdeu todo o seu prestígio profissional e sequer sabe o que fazer com a própria vida. Após o embaraçoso “Sete Vidas”, o diretor Gabriele Muccino prova com “Um Bom Partido” que o melhor negócio é regressar para a Itália.

 .

Colegas10. Colegas, de Marcelo Galvão
“Colegas” estreou em um momento em que o público brasileiro estava entusiasmado com uma nova etapa para o cinema brasileiro inaugurada com “O Som ao Redor”. A ideia do diretor Marcelo Galvão foi ousada: contar uma história com protagonistas com síndrome de Down. Temos assim um filme que se constrói no instante em que os amigos Stallone (Ariel Goldenberg), Aninha (Rita Pook) e Márcio (Breno Viola) decidem fugir da instituição que habitaram ao longo de toda a vida. O que deveria render uma aventura sobre descobertas, liberdade e o valor da amizade se transforma em algo abominável que busca apaziguar todos os valores tortos construídos em uma trama criminal calcada em títulos como “Thelma & Louise”. É como se “Colegas” acreditasse que teríamos empatia pelos  protagonistas pelo simples fato deles serem o que são. Não é bem assim.

 .

PIORES INTERPRETAÇÕES

.

Piores Atores de 2013

ATORES

.

Ben Affleck • Amor Pleno
Ben Kingsley • Homem de Ferro  3
Edu Moraes • Somos Tão Jovens
James Franco • Oz – Mágico e Poderoso
Jaden Smith • Depois da Terra
Kit Harington • Silent Hill – Revelação 3D
Russell Crowe • Os Miseráveis
Ryan Gosling • Caça aos Gângsteres
Tobey Maguire • O Grande Gatsby
Will Smith • Depois da Terra

.

Piores Atrizes de 2013

 ATRIZES

.

Adelaide Clemens • Silent Hill – Revelação 3D
Amanda Seyfried • Os Miseráveis
Amy Adams • O Homem de Aço
Antje Traue • O Homem de Aço
Catherine Zeta-Jones • O Dobro ou Nada
Danielle Winits • Odeio o Dia dos Namorados
Dianna Agron • A Família
Rachel Weisz • Oz – Mágico e Poderoso
Rebecca Hall • O Dobro ou Nada
Svetlana Khodchenkova • Wolverine: Imortal

.

44 Comments

  1. Graças a Deus encontrei alguém que, assim como eu, odiou “É o Fim”. Já estava ficando inconformado com os inúmeros elogios que esse filme já havia recebido.

    • Nicole Nicole

      Concordo o filme é muito rídiculo

      • Brenno e Nicole, pois é. Um filme de comédia pode gerar reações bem distintas de um espectador para o outro. Ainda assim, não compreendo essa badalação em cima de “É o Fim”.

    • Estamos aí! E parece que “Só Deus Perdoa” estreia aqui durante este ano. Taí mais uma interpretação para ser apontada na lista ingrata.

  2. Felizmente fugi de muita porcaria esse ano, Alex….a maioria dos filmes ruins que vi são aqueles que eu achava que fosse bom como Depois de Lúcia e Apenas Seua Perdoa , mas ainda conferir bombas como O Concurso, Avioes, Depois da Terra. Já uma lista de piores atuações eu nao conseguiria fazer.

    • Anderson, não sei se na próxima edição farei uma lista de piores interpretações. Acho mais divertido ficar só nos filmes mesmo. E que bom que você conseguiu escapar da maioria das bombas apontadas aqui. Sortudo!

  3. Amanda Seyfried não é uma boa atriz, mas seu desempenho em OS MISERÁVEIS está longe de ser um dos piores do ano. E eu gostei “Depois de Lúcia”, embora seja violento demais para meus padrões, talvez entre em minha lista de melhores. “Colegas”, “Silent Hill”, “Todo Mundo Hispânico” e “Odeio o dia dos Namorados” eu não assisti, mas me parece que não estou perdendo muito.
    Um abraço!

    • Weiner, que excelente vê-lo por aqui, rapaz! Olha, gosto da Amanda Seyfried, essa garota já mandou bem em muitos filmes (“O Preço da Traição” e “Questão de Vida” são exemplos), mas ela não se mostrou uma boa escolha para “Os Miseráveis” – se bem que esse filme é todo contaminado, então fica difícil. Um abraço!

  4. olha respeito a opinião
    mas o Homem de Aço é foda, melhor filme de herói de 2013

    • paulo rodrigo paulo rodrigo

      mas nao é mesmo. o homem “palha” de aço é reciclagem de batman begins misturado porcamente com a hq superman terra um.

    • Bruno Lima Bruno Lima

      Concordo com vc! Falar que o melhor diretor da atualidade foi infeliz na produção é no mínimo uma análise superficial. Ele anulou o excesso de câmera lenta usada sem limites por Snider, e tem gente que ainda fala mal???
      Quem não compreende Nolan, realmente não tem intelecto pra assistir às obras que ele cria. Quem tem saudade do quadrinho infantil produzido no século passado, não está pronto pra humanização que Nolan faz.

      • Fabricio, pode ser, uma vez que o a concorrência foi não nada atraente.
        Paulo, bem por aí, embora nem de “Batman Begins” eu seja um fã.
        Bruno, é possível ler uma resenha crítica sobre “O Homem de Aço” clicando no “+” ao lado do título. E desculpe-me, mas o que carece de intelecto não é o público que não gosta dos filmes de Christopher Nolan, mas os próprios filmes que ele faz. Uma pena, pois nos tempos de “Amnésia”, “Insônia” e “Following” ele se mostrou um cineasta muito promissor.

  5. RaphaMaska RaphaMaska

    Ainda bem que gosto é que nem cú. Não concordo com algumas citações, mas cada um com suas opiniões.

  6. Concordo com o Fabrício, acho que o Nolan conseguiu fazer do homem de aço um personagem interessante!!! Utilizar da óptica em que o Clark sofre com os poderes e tem de lidar com eles foi muito interessante!!! Faltou aí o Wolverine que é um dos melhores personagens da marvel, com uma possibilidade de ter feito uma puta história como no origens!!! E pra variar, deu merda!! Cagaram nos dois filmes do Wolverine!!!

    • paulo rodrigo paulo rodrigo

      concordo com a parte dos wolverines mas o “palha” de aço tb não é essas coisas não.

      • Thiago, não gosto de “X-Men Origens: Wolverine”. Por outro lado, “Wolverine: Imortal” é um filme bacana – bom, até aquele clímax terrível. E terei de concordar com o Paulo quanto ao “O Homem de Aço” – ou “O Homem de Palha”, como preferir.

  7. Outra porcaria de filme é Ate que a sorte nos separe 1 e 2,

    • Eron, não detestamos tanto assim “Até que a Sorte nos Separe” ao ponto de entrar na lista. Aliás, o filme original estreou em 2012. Ah, e ainda não pudemos assistir à continuação. Quem sabe em breve?

  8. jonny jonny

    HOMEM DE AÇO. UM DOS MELHOR FILME DE 2013.

  9. Christiano Christiano

    Francamente, eu também discordo sobre o fato do filme do Homem de Aço estar nessa lista, ele é bem interessante.

  10. Man of steel foi tesão até para quem não curte o super herói torcedor do Paraná Clube! Mas já vi até gente que criticou a nova versão do Batman com saudades da versão Xumaker.
    Enfim, gosto é gosto…

    • Fernando, eu não gosto nem dos “Batmen” de Nolan, nem dos de Shumacher. Para ser franco, as únicas aventuras bacanas no personagem no cinema aconteceram pelas mãos de Tim Burton.

  11. pedro pedro

    homem de aço foi um dos melhores filmes do ano pra mim, não colocaria esse filme na lista.

  12. ask ask

    O filme do Homem de Aço não deveria estar nesta lista. Só porque o diretor divergiu de alguns pontos e até foi mais coerente com a realidade, isso não classifica o filme como ruim. Em contrapartida, se o que dizem à respeito da origem da mulher maravilha no próximo filme, aí é para acabar…

    • Ask, pois e essa “coerência com a realidade” que ajuda a matar “O Homem de Aço”, uma vez que ele comete os erros primários mais estúpidos ao ambicionar por algo mais crível. E eu espero o pior desse encontro de Batman com Superman. Enfim, vamos aguardar.

  13. Garanhão italiano Garanhão italiano

    Faltou elizyum . que lixo.

    • Sr. Garanhão Italiano, “Elysium” quase entrou na lista. No entanto, nos esquecemos totalmente de apontar a interpretação de Sharlto Copley como uma das piores do ano passado.

  14. Eduardo Eduardo

    Que piada. A primeira vez que alguem consegue fazer uma adaptação realmente legal com um personagem tão apático quanto o Superman e entra pra lista de “10 piores do ano”. Até pode ser que o primeiro filme com o Christopher Reeve fosse bom pra 1978 e que o “Richard Donnie Cut” do segundo seja algo que não pareça uma comédia pastelão (não sei, não vi), mas… “c tá zuando cumigo né mano?” ¬¬

    • Eduardo, pois garanto que nem todos ficaram entusiasmados com o novo “Superman”. Na sessão que fui, presenciei as mais diversas reações. Muitos ficaram eufóricos e outros ficaram frustrados – me incluo neste grupo. Que a próxima aventura não provoque a mesma divisão.

  15. Daniel Daniel

    Man of Steel é um dos melhores filmes do ano !!! Vai dizer que vc prefere ver ele fazendo o tempo voltar voando em volta do planeta ?? Deve nem saber o que isso quis dizer..

    Lixo de lista e argumentos !

    • Daniel, não vejo “Man of Steel é um dos melhores filmes do ano” como argumento forte o suficiente para considerar uma réplica. “Vai dizer que vc prefere ver ele fazendo o tempo voltar voando em volta do planeta?” Francamente, não tenho a mínima ideia do que você quis dizer com isso. Passar bem.

  16. Bell Waltzi Bell Waltzi

    Pelo que vi só tem atores, atrizes, diretores e críticos de cinema neste blog, mas ainda bem que várias pessoas não deixam de assistir filmes por conta de comentários idiotas e opiniões pessoais. Às vezes assistimos um filme pensando que será bom, mas nem sempre acontece e em outros casos vimos criticas negativas, como aqui neste blog e acabamos gostando destes filmes ditos ruins. Então meus amigos intelectuais vão procurar o que fazer e não vem dizer o que é bom ou ruim, pois a opinião de vocês, pelo menos pra mim, não diz nada!!!!!

    • Bell, penso que o seu comentário é um equívoco. Primeiro porque é uma grosseria denominar como “intelectual” (de modo pejorativo) quando apenas me proponho a compartilhar as considerações sobre qualquer filme que seja. E para ser franco, o seu comentário é o que não me diz nada. Afinal, quais os filmes apontados nesta lista que você considerou bons? Por que? Assim como você (ou não, vai saber), invisto um bom dinheiro para ver esses filmes e me vejo no direito de manifestar uma opinião negativa quando sinto que eles não atingiram as expectativas ou me fizeram de bobo.

  17. Brendow Brendow

    Respeito sua opinião, mas o que vi quando li sua crítica à Homem de Aço foi uma pessoa defecando pela boca (ou pelos dedos, no caso). O que Nolan simplesmente quer fazer com os filmes de heróis é torná-los (quase) para adultos, é brilhante a forma que Nolan realiza seu trabalho dando profundidade psicológica aos heróis, assim, eles passam a ser muito mais do que fortões usando trajes.

    • Brendow, pois vejo “O Homem de Aço” como um filme perigosamente imaturo. Também respeito sua opinião e por conta disso desconsidero a ofensa de ler que estou “defecando pela boca”. No entanto, não consigo levar à sério um filme que contém erros primários imperdoáveis e que desenvolve situações de modo mais infantil possível. Estamos em um cenário totalmente destruído (muito graças ao próprio “herói”, por sinal) e a história ainda se permite a flagrar um beijo caloroso entre Clark e Louis? Que profundidade ou amadurecimento há nisso? Acho que nem os filmes que se limitam a trazer “fortões usando trajes” desceu num nível tão precário de má escrita e total falta de comprometimento com algo razoavelmente divertido.

  18. Luna Luna

    Concordo parcialmente com a lista. Não acho que Homem de Aço mereça estar entre os piores, tampouco entre os melhores, é um filme mediano. Acrescentaria na lista o filme Cavaleiro Solitário e a péssima atuação de Armie Hammer. Abraços.

    • Luna, bom saber que você concorda (mesmo que parcialmente) com a lista. Sobre “O Cavaleiro Solitário”, não o detesto ao ponto de considera-lo um dos piores do ano. Apesar de esquizofrênico, o filme tem seus bons momentos. Abraços.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: